Destaques Policial

Homens que ofereciam combate ao crime mediante pagamento são investigados em MG

A Polícia Civil apreendeu coturnos, capacetes e casacos que eram usados como 'material de trabalho' pelos dois suspeitos | Foto: Polícia Civil de Minas Gerais/Reprodução

Os dois suspeitos garantiam combater crimes como tráfico de drogas, homicídio e até violência doméstica, em Contagem, em troca de pagamento

Dois homens são investigados pela Polícia Civil suspeitos de cometer crime de usurpação da função pública em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. Segundo declarou o delegado Clayton Ricardo da Silva, nesta quinta-feira (30), os suspeitos se ofereciam a moradores da cidade para combater crimes como violência doméstica, tráfico de drogas, maus-tratos a pessoas com deficiência e até homicídio. Os serviços eram comercializados pelo WhatsApp.

“Foram qualificados dois indivíduos, um de 20 e outro de 33 anos, que já foram intimados para prestar esclarecimentos. A polícia trabalha com a hipótese de usurpação da função pública já que além do serviço de segurança, eles se propunham a prevenir delitos de natureza violenta, entre outros, que são privativos das forças de segurança”, esclareceu Silva, que está à frente do inquérito.

No decorrer dessa primeira parte das investigações, a Polícia Civil recolheu capacetes, coturnos e jaquetas que eram usados pelos suspeitos como “material de trabalho”. Aliás, um deles se autointitulou “comandante-geral” do serviço de “polícia privada”. “A dita atividade usava o mesmo nome pelo qual é conhecido um dos grupos da Guarda Municipal aqui na cidade, isso para dar maior robustez àquilo que eles apresentavam por história”, detalha o delegado.

Os serviços oferecidos pelos dois homens eram divulgados através de uma imagem que circulou no WhatsApp. O panfleto virtual usado por eles garantia “patrulha 24 horas” em casas, sítios, lojas e associações, inclusive com atendimento especializado para pessoas com deficiência auditiva.

“Atendemos denúncias de crimes e ocorrências suspeitas com relação com (sic) eventos criminosos em geral, buscando prevenir sua consumação e proteger o patrimônio e a vida de nossos clientes”, segundo escreveram na mensagem contida no panfleto. As investigações continuam para identificar se os dois realmente cometeram crime de usurpação da função pública, cuja pena se estende entre dois e cinco anos de prisão, além de esclarecer quanto eles cobravam pelos serviços prestados.

SuperNotícia

Eldorado1300

AGENDA

setembro 2020
D S T Q Q S S
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

Publicidade

ARQUIVO GERAL

Alvaro Vilaça

Alvaro Vilaça

Jornalista, radialista, âncora do programa Tempo Esportivo na TV Sete Lagoas e diretor de programação da Rádio Eldorado AM1300

Gleidson Almeida

Avatar

SILVA JUNIOR

Silva Júnior

Silva Júnior

Silva Júnior - Jornalista, radialista, colunista e setorista do futebol sete-lagoano, assina ainda o programa Eldorado nos Esportes na Rádio Eldorado AM 1300

Cebolinha

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.

Rádio Eldorado