Super Destaques

Igrejas e lotéricas poderão funcionar na pandemia com queda de liminar

Advocacia-Geral da União (AGU) valida decreto editado por Bolsonaro para reconhecer igrejas como serviço essencial. 
Foto/Reprodução
Advocacia-Geral da União (AGU) valida decreto editado por Bolsonaro para reconhecer igrejas como serviço essencial. Foto/Reprodução

Classificação dos serviços como essenciais foi definida pelo presidente Jair Bolsonaro na semana passada e estava suspensa pela Justiça

A Advocacia-Geral da União (AGU) confirmou, nesta quarta-feira, 1º, em conjunto com o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), a validade do decreto editado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na última quarta-feira (25), que classificava igrejas, templos religiosos e casas lotéricas como serviços essenciais durante a pandemia do novo coronavírus.

A pedido da Procuradoria-Regional da União da 2ª Região, o presidente do tribunal, desembargador Reis Friede, suspendeu a liminar concedida na sexta-feira (27) pela 1ª Vara Federal de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, que impedia a classificação dos templos religiosos e das lotéricas como essenciais.

Dois dias após a alteração do decreto, a Justiça Federal proibiu o governo federal de adotar medidas contrárias ao isolamento social como forma de prevenção da COVID-19, suspendendo a validade do decreto alterado por Bolsonaro.

No pedido para que a liminar fosse suspensa, os advogados da União defenderam que o fechamento das casas lotéricas limitaria o acesso de milhares de brasileiros a serviços bancários básicos, principalmente ao recebimento de benefícios sociais disponibilizados pelo Estado.

A AGU também argumentou que, além de atingir negativamente a vida das pessoas mais vulneráveis, a suspensão de operação das lotéricas levaria a maiores aglomerações nas agências bancárias.

“Nas cidades desassistidas de rede bancária, onde apenas existe unidade lotérica, os beneficiários de prestações sociais teriam que viajar para outros municípios para acessar os serviços, acarretando indesejável incremento do fluxo de pessoas”, apontou outro trecho do pedido encaminhado ao TRF2.

Por fim, a AGU defendeu, ainda, que a liminar poderia impedir a população de buscar sustentação religiosa em um momento delicado pelo qual o mundo passa. O trecho do decreto que trata das atividades religiosas foi cauteloso ao prever que elas podem ser realizadas desde que obedecidas as determinações impostas pelo Ministério da Saúde, para conter a disseminação do coronavírus ao evitar aglomerações.

Competência constitucional

O presidente do TRF2, Reis Friede, entendeu que a decisão da Justiça Federal em primeira instância assumiu a competência constitucionalmente que cabe aos poderes Legislativo e Executivo, violando, assim, a Constituição da República e a relação de harmonia que deve existir entre eles.

“Essa usurpação de função dos poderes Legislativo e Executivo, por si só, configura grave lesão à ordem jurídica apta a autorizar o deferimento deste pedido de suspensão”, afirmou.

“Entretanto, outro relevante ponto merece ser destacado: o periculum in mora inverso. A retirada das unidades lotéricas da lista de serviços essenciais acarretaria, na prática, a possibilidade de seu fechamento por decisão de governos locais, gerando o aumento do fluxo de pessoas nas agências bancárias tradicionais e implicando em aglomerações indesejadas no momento atualmente vivido pela sociedade brasileira”, reconheceu o presidente do TRF2 em trecho da decisão.

Estado de Minas

Eldorado1300

AGENDA

junho 2020
D S T Q Q S S
« maio    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Publicidade

ARQUIVO GERAL

Alvaro Vilaça

Alvaro Vilaça

Jornalista, radialista, âncora do programa Tempo Esportivo na TV Sete Lagoas e diretor de programação da Rádio Eldorado AM1300

Gleidson Almeida

Avatar

SILVA JUNIOR

Silva Júnior

Silva Júnior

Silva Júnior - Jornalista, radialista, colunista e setorista do futebol sete-lagoano, assina ainda o programa Eldorado nos Esportes na Rádio Eldorado AM 1300

Cebolinha

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.