Saúde Super Destaques

Coronavírus: Casos avançam no país, mas ainda não há transmissão sustentada

O novo coronavírus avança no Brasil: já são 13 os casos confirmados | Foto: Pixabay

É cedo para decifrar comportamento do vírus no Brasil, dizem especialistas

 O avanço do vírus no Brasil traz alívios, de um lado – vez que não há mortes por aqui -, e preocupações, de outro. Para especialistas, existe só uma certeza: ainda é cedo para decifrar o comportamento do vírus no país. O que se consegue, até o momento, são observações epidemiológicas, que precisam ser comprovadas – ou refutadas – por estudos científicos.

Entre a manhã e a tarde desta sexta-feira, o número de casos confirmados de infecção no país subiu de nove para 13. Um 14º caso foi confirmado neste sábado (7) pela secretaria estadual da Saúde do Rio de Janeiro, mas ainda não foi confirmado pelo Ministério da Saúde, que monitora a doença e ainda aguarda a contraprova de um exame no Distrito Federal.

O balanço da pasta também mostra que subiu para 768 o número de casos ainda em investigação. Entram nessa lista os pacientes que apresentam febre e outros sintomas respiratórios (como tosse ou dificuldade de respirar) e que possuem histórico de viagens recentes a 36 países. Outros 480 casos foram descartados após exames. Na noite dessa sexta-feira, o presidente Jair Bolsonaro fez um pronunciamento sobre a situação no país.

O que se sabe é que 11 pacientes foram infectados no exterior, em localidades que já sofrem com a epidemia. Outros dois foram contaminados em São Paulo, que contabiliza dez pacientes. Segundo o ministério, como esses casos estão ligados entre si, ainda não se pode dizer que há uma transmissão sustentada. “É como se eu tivesse falando de uma transmissão restrita (local)”, disse o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira.

A boa notícia é que nenhum dos 13 brasileiros com diagnóstico confirmado teve complicações. Um deles – a adolescente de 13 anos que voltou da Itália no domingo – nem apresentou sintomas. O caso levantou a discussão sobre se o tratamento medicamentoso para uma lesão ortopédica não teria mascarado a sintomatologia. Renato Kfoury, diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim), acredita que apenas a febre poderia ser “escondida”. “Não os problemas respiratórios”, pontuou.

Outra dúvida é se jovens infectados não adoecem. Esses casos chegam a ser 25% do total entre crianças e adolescentes, segundo Oliveira. “É apenas uma constatação com base nas evidências epidemiológicas”, disse à BBC Kleber Luz, professor do Instituto de Medicina Tropical da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Também se discute se o paciente assintomático transmite o vírus. “Não conhecemos todo o sistema, mas, quanto maior a carga viral, mais secretivo e infectante é o vírus. Essa é a lógica que utilizamos no influenza, por exemplo”, explicou Kfoury.

Para o infectologista Adelino de Melo, do Hospital Unimed de Belo Horizonte, os estudos sobre isso ainda precisam ser aprofundados. “É preciso manter a precaução, ver como tudo vai evoluir. Tivemos registros de casos (no mundo) de pacientes assintomáticos que transmitiram a doença, mas que logo depois foram revistos”, ponderou.

SuperNotícia

Avatar

Gleidson Almeida

COMENTAR

Clique aqui para enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Eldorado1300

AGENDA

agosto 2020
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Publicidade

ARQUIVO GERAL

Alvaro Vilaça

Alvaro Vilaça

Jornalista, radialista, âncora do programa Tempo Esportivo na TV Sete Lagoas e diretor de programação da Rádio Eldorado AM1300

Gleidson Almeida

Avatar

SILVA JUNIOR

Silva Júnior

Silva Júnior

Silva Júnior - Jornalista, radialista, colunista e setorista do futebol sete-lagoano, assina ainda o programa Eldorado nos Esportes na Rádio Eldorado AM 1300

Cebolinha

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.

Rádio Eldorado