Arnaldo Martins Colunistas

A vaquinha morreu

Reprodução
Reprodução

Um mestre e seu discípulo estavam andando há alguns dias em um campo, até que encontraram uma humilde casa de madeira, na qual viviam um casal e seus três filhos.

Eles eram pessoas muito pobres, vestiam roupas velhas e sujas e estavam descalços.

O Mestre se dirigiu ao pai e o perguntou como a família estava fazendo para conseguir sobreviver, visto que estavam em um lugar praticamente deserto, em que não havia indústrias ou comércio.

O pai respondeu: Nós temos uma vaquinha que nos fornece vários litros de leite todos os dias. Uma parte desse leite nós vendemos, e com dinheiro compramos outras coisas.

A outra parte do leite nós usamos para nosso próprio consumo.

Desta forma, conseguimos sobreviver.

O mestre agradeceu a informação, despediu-se e foi embora.

Quando estavam saindo da casa, ele disse ao seu discípulo: Procure a vaquinha, leve-a ao precipício e empurre-a.

O jovem ficou triste e chocado com o pedido de seu mestre, afinal a vaquinha era o único meio de sustento da família.

No entanto, ele acreditava que havia uma razão para isso, então levou a vaquinha ao precipício e a empurrou.

Essa cena ficou gravada em sua mente por muitos anos.

Já havia se passado algum tempo e o discípulo não tinha conseguido perdoar nem a si mesmo e nem o seu mestre pelo que tinham feito àquela família.

Então, decidiu abandoná-lo e retornar àquele lugar para se desculpar com a família.

Quando estava chegando perto, o discípulo viu que as coisas haviam mudado.

No lugar da antiga casa havia agora uma bela casa, cercada por árvores, muitas crianças brincando e um carro novo.

O jovem estava desesperado porque acreditava que a família tinha vendido sua casa para poder sobreviver, mas quando chegou bem na frente da casa, percebeu que ainda era habitada pelas mesmas pessoas.

Então, ele perguntou ao pai o que tinha acontecido para que mudassem de vida dessa maneira.

E o pai, sorrindo, lhe respondeu: Tínhamos uma vaquinha cujo leite nos permitia sobreviver, mas um dia ela simplesmente caiu de um penhasco e morreu.

Então, tivemos que fazer outras coisas para podermos continuar vivendo.

Foi nessa época que desenvolvemos outras habilidades que nunca imaginamos possuir.

Assim, começamos a prosperar e nossa vida se transformou completamente.

Nesse momento, o discípulo compreendeu a atitude de seu mestre, e percebeu que só podemos transformar nossas vidas quando saímos de nossa zona de conforto.

Moral da história:

Todos nós temos nossa própria vaquinha, que nos fornece uma segurança, mas não nos leva para frente.

O que você faria se amanhã sua vaquinha caísse do precipício?

Se você precisar fazer uma mudança em sua vida, faça hoje, não espere sua vaquinha cair do penhasco.

Colaborador-Academia

Até a semana que vem se Deus quiser, e Ele há de querer.

Por Arnaldo Martins

Cebolinha

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.

COMENTAR

Clique aqui para enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Eldorado1300

AGENDA

setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Publicidade

ARQUIVO GERAL

Alvaro Vilaça

Alvaro Vilaça

Jornalista, radialista, âncora do programa Tempo Esportivo na TV Sete Lagoas e diretor de programação da Rádio Eldorado AM1300

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.

SILVA JUNIOR

Silva Júnior

Silva Júnior

Silva Júnior - Jornalista, radialista, colunista e setorista do futebol sete-lagoano, assina ainda o programa Eldorado nos Esportes na Rádio Eldorado AM 1300

Cebolinha

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.