Arnaldo Martins Colunistas

A vida que não conheço

Foto Reprodução
Foto Reprodução

Conversa Afiada mostrou na última edição em comemoração ao Dia dos Pais, a história de um filho que falava diariamente aos seus pais do seu amor por eles.

Lembra-se?

Na educação familiar, que é responsável para preparação dos filhos “futuro da nação”, o amor é fundamental para o fortalecimento e união das pessoas.

Estamos vivendo numa sociedade cujo um índice elevado de pessoas nem sabem a importância do amor entre si.

São filhos que não relacionam bem com seus pais e vice-versa, irmãos que não se entendem.

Enfim, o amor que une as pessoas e não está existindo, está abalando as estruturas familiares.

Seria bom se voltássemos ao passado para rever um filme de quando ainda estávamos no período de gestação no ventre de nossa mãe.

O filme chamaria: “A vida que não conheço”.

Mas se você não assistir ao filme, preste muita atenção na história abaixo:

 – No ventre de uma mãe havia dois bebês.

Um perguntou ao outro: Você acredita em vida após o parto?

O outro respondeu: É claro. Tem que haver algo após o parto.

Talvez nós estejamos aqui para nos preparar para o que virá mais tarde.

Bobagem, disse o primeiro.

Que tipo de vida seria esta?

O segundo disse: Eu não sei, mas haverá mais luz do que aqui.

Talvez nós possamos andar com as nossas próprias pernas e comer com nossas bocas.

Talvez tenham outros sentidos que não podemos entender agora.

O primeiro retrucou: Isto é um absurdo, o cordão umbilical nos fornece nutrição e tudo o mais de que precisamos.

O cordão umbilical é muito curto. A vida após o parto está fora de cogitação.

O segundo insistiu: Bem, eu acho que há alguma coisa e talvez seja diferente do que é aqui. Talvez a gente não vá mais precisar deste tubo físico.

O primeiro contestou: Bobagem, e, além disso, se há realmente vida após o parto, então, por que ninguém jamais voltou de lá?

Bem, eu não sei, disse o segundo, mas certamente vamos encontrar a Mamãe e ela vai cuidar de nós.

O primeiro respondeu: Mamãe, você realmente acredita em Mamãe?

Isto é ridículo. Se a Mamãe existe, então, onde ela está agora?

O segundo disse: Ela está ao nosso redor.

Estamos cercados por ela, nós somos dela, é nela que vivemos.

Sem ela este mundo não seria e não poderia existir.

Disse o primeiro: Bem, eu não posso vê-la, então, é lógico que ela não existe.

Ao que o segundo respondeu: Às vezes, quando você está em silêncio, se você se concentrar e realmente ouvir, você poderá perceber a presença dela e ouvir sua voz amorosa.

Colaborador-Academia

Até a semana que vem se Deus quiser, e Ele há de querer.

Por Arnaldo Martins

Cebolinha

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.

COMENTAR

Clique aqui para enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Eldorado1300

AGENDA

novembro 2019
D S T Q Q S S
« out    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Publicidade

ARQUIVO GERAL

Alvaro Vilaça

Alvaro Vilaça

Jornalista, radialista, âncora do programa Tempo Esportivo na TV Sete Lagoas e diretor de programação da Rádio Eldorado AM1300

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.

SILVA JUNIOR

Silva Júnior

Silva Júnior

Silva Júnior - Jornalista, radialista, colunista e setorista do futebol sete-lagoano, assina ainda o programa Eldorado nos Esportes na Rádio Eldorado AM 1300

Cebolinha

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.