Esporte

Cruzeiro já sofreu mais gols em ‘série instável’ que em todo período pré-Brasileirão

Foto: Web
Foto: Web

Equipe celeste tem a pior defesa da Série A do Campeonato Brasileiro

Até sofrer a derrota por 3 a 1 para o Flamengo, no Rio, em seu primeiro compromisso pelo Brasileiro, o Cruzeiro era a única equipe das Séries A e B invicta na temporada.
Antes, o time de Mano Menezes havia feito 21 partidas, 16 pelo Campeonato Mineiro e cinco pela Libertadores. O balanço desse período mostrava apenas nove gols sofridos, com média de 0,42.
A partir da estreia no Brasileirão, a desorganização defensiva ficou evidente. Em sete partidas – cinco pela Série A, uma pela Libertadores e uma pela Copa do Brasil -, o Cruzeiro sofreu 14 gols. A média, que era de 0,42 gol negativo por jogo, saltou para 2.

Nesse série instável, o time perdeu quatro vezes, empatou uma e venceu apenas duas.
PIOR DEFESA DO BRASILEIRO
O ponto crítico da má fase se deu nesse sábado. O Cruzeiro foi derrotado por 4 a 1 para o Fluminense, no Maracanã, pela quinta rodada do Brasileirão. O revés deixou o time de Mano Menezes com a pior defesa do torneio, com 11 gols sofridos.
Até o início da Série A, o time de Mano não tinha sofrido mais de dois gols em nenhuma partida. “Agora é a hora de apanhar, temos que apanhar, temos que ser criticados. Temos que saber, com grandeza, ouvir as críticas, aceitá-las, e trabalhar para as coisas mudarem. Isso não é normal nosso. Nem me lembro a última vez que uma equipe minha tomou quatro gols”, declarou Mano.
A última goleada por quatro gols sofrida pelo Cruzeiro havia sido em 28 de fevereiro de 2018. No Estádio El Cilindro, em Buenos Aires, o time de Mano perdeu por 4 a 2 para o Racing pela fase de grupos da Copa Libertadores.
COMPARAÇÃO COM BRASILEIRO DE 2018 ASSUSTA
Uma comparação entre as cinco primeiras rodadas do Cruzeiro nos Brasileiros de 2018 e 2019 mostra como o momento é delicado. Na mesma altura da competição do ano passado, o time só havia sido vazado duas vezes. Nesta edição, são 11 gols negativos.
Neste curto início de Brasileirão 2019, a equipe já levou 32,35% dos gols sofridos em toda edição da última temporada: 34.
E O ATAQUE?
O aproveitamento ofensivo do Cruzeiro também caiu desde aquele “fatídico” 27 de abril.
Antes daquela atuação com o Flamengo, pela abertura do Brasileiro, o Cruzeiro havia feito 46 gols em 21 apresentação. A média era de 2,1 gols por jogo.
Já nas últimas sete apresentações, só oito gols foram convertidos: média de 1,14.
SEMANA PARA APARAR ARESTAS
Agora, Mano Menezes terá toda esta semana para trabalhar e tentar reequilibrar o time do Cruzeiro. O próximo compromisso é só no domingo, às 19h, no Mineirão, contra a Chapecoense, pela sexta rodada do Brasileirão.
“Uma equipe não pode se apegar só a uma maneira de jogar futebol. É pouco para uma temporada inteira. Tem que ter variações, soluções diferentes. Vamos trabalhar e encontrar um equilíbrio para a equipe novamente, para que façamos o que foi feito na primeira fase da Libertadores, contra adversários que propõem mais o jogo, como o Fluminense, Internacional e Flamengo, equipes que nos derrotaram”, disse.
DEFESA DO CRUZEIRO EM 2019
Até 23 de abril: 9 gols sofridos em 21 jogos – média de 0,42
A partir de 27 de abril: 14 gols sofridos em 7 jogos – média de 2
ATAQUE DO CRUZEIRO EM 2019
Até 23 de abril: 46 gols marcados em 21 jogos – média de 2,1
A partir de 27 de abril: 8 gols marcados em 7 jogos – média de 1,14
Da redação:superesportes

Eldorado1300

AGENDA

agosto 2019
D S T Q Q S S
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Publicidade

ARQUIVO GERAL

Alvaro Vilaça

Alvaro Vilaça

Jornalista, radialista, âncora do programa Tempo Esportivo na TV Sete Lagoas e diretor de programação da Rádio Eldorado AM1300

Thiago Maia

Thiago Maia

SILVA JUNIOR

Silva Júnior

Silva Júnior

Silva Júnior - Jornalista, radialista, colunista e setorista do futebol sete-lagoano, assina ainda o programa Eldorado nos Esportes na Rádio Eldorado AM 1300

Cebolinha

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.