Arnaldo Martins Colunistas

O amor ao próximo acabou?

Reprodução
Reprodução

Às vezes fico perplexo com tantas baboseiras e falsas justificativas para as atrocidades que ainda nos surpreendem todos os dias.

Ficamos assustados porque 2019 tivemos acontecimentos terríveis que mancharam de sangue pessoas no mundo inteiro com as violências humana.

Foram perdas movidas pela falta de amor ao próximo. Eu acredito.

Relembre:

Meninos que portam arma nas escolas, meninos que gostam de jogos violentos, meninos matam porque a escola é omissa, meninos matam porque sofreram Bullying.

Se fizer uma profunda análise, chegaremos a conclusão que eles matam porque as famílias estão desestruturadas e fracassadas.

Porque não se educa mais em casa, não  se acompanha  mais de perto o dia a dias dos filhos.

Nos tempos atuais, a tecnologia substitui o diálogo, presentes compram limites, direitos e deveres e não há o conhecimento e respeito a Deus.

Precisamos parar de nos omitir, de transferir culpas.

A culpa é minha, é sua, de todos nós.

A violência é o desdobramento de carências afetivas, da necessidade de ser visto e notado, ainda que da pior maneira.

As armas não matam o que mata é a ausência de amor.

Atente para história abaixo:

Um jovem perguntou: Vovô, como você viveu antes?

Sem tecnologia, sem aviões, sem internet, sem computadores, sem tevês de plasmas ou led, sem ar condicionado, sem carros, sem celulares, tabletes, notebook e laptop?

O vovô respondeu:

Como a sua geração vive hoje?

Sem oração, sem compaixão, sem honra, sem respeito, sem vergonha, sem esforço, sem responsabilidades e sem modéstia.

Nós, as pessoas nascidas no século passado, somos abençoados. Disse o avô.

Somos uma geração única e mais compreensiva, porque somos a última geração que ouviu seus pais, avós e tios.

Também respeitamos os pais, professores, pessoas mais velhas.

Somos uma edição “limitada”.

Conlusão:

Aproveite enquanto você pode, aprenda conosco.

E tenha em mente que, tivemos muito trabalho para construir um mundo que hoje está sendo destruído por falta do que no passado tínhamos em abundância, “amor ao próximo”.

Na geração atual o amor ao próximo acabou?

Consultar

 

Até a semana que vem se Deus quiser, e Ele há de querer.

Por Arnaldo Martins

Cebolinha

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.

COMENTAR

Clique aqui para enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Eldorado1300

AGENDA

agosto 2019
D S T Q Q S S
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Publicidade

ARQUIVO GERAL

Alvaro Vilaça

Alvaro Vilaça

Jornalista, radialista, âncora do programa Tempo Esportivo na TV Sete Lagoas e diretor de programação da Rádio Eldorado AM1300

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.

SILVA JUNIOR

Silva Júnior

Silva Júnior

Silva Júnior - Jornalista, radialista, colunista e setorista do futebol sete-lagoano, assina ainda o programa Eldorado nos Esportes na Rádio Eldorado AM 1300

Cebolinha

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.