Destaques

Mineiros que passaram dos 50 anos superam barreiras e entram para a faculdade

Natural do Vale do Jequitinhonha, Alzemir Batista largou os estudos para trabalhar na roça e só realizou o sonho de cursar faculdade aos 55 anos
Natural do Vale do Jequitinhonha, Alzemir Batista largou os estudos para trabalhar na roça e só realizou o sonho de cursar faculdade aos 55 anos

Trabalhar para garantir o sustento da casa, criar os filhos, priorizar a educação deles e só então concretizar o sonho de retomar os próprios estudos. Essa é a realidade de Alzemir, Sônia e Regina, que entraram para a faculdade após os 50 anos. A história deles se repete por toda Minas Gerais, onde mais de 17 mil alunos nessa faixa etária estavam matriculados no ensino superior somente em 2017. De 2013 até o último Censo da Educação, feito há dois anos, o número de estudantes de 50 anos ou mais que frequentam cursos presenciais e a distância saltou 21%.

Para especialistas, a possibilidade de uma melhor colocação no mercado de trabalho e a perspectiva de um “up grade” no salário são fatores determinantes para a busca do diploma, assim como a necessidade de constante atualização em função das novas tecnologias. Além disso, o aumento da expectativa de vida e a iminente elevação da idade para aposentadoria também influenciam a decisão pela retomada dos estudos.

“As pessoas têm buscado uma melhor qualidade de vida, estão mais ativas. Muitos também voltam para a universidade com a intenção de mudar de carreira ou como forma de realização pessoal”, opina a coordenadora dos cursos de gestão de Recursos Humanos (RH), Gestão Financeira, Logística e Marketing das Faculdades Promove, Andrea Arnaut.

Exigências

Segundo ela, as empresas estão cada vez mais exigentes e o crescimento profissional, muitas vezes, está atrelado aos diplomas. Aluna do curso de estética, Sônia Robadel, de 52 anos, conta que em 2015 começou a perceber que tinha o currículo preterido pela falta de estudo.
Mesmo assim, a faculdade ainda era um sonho distante porque ela tinha prioridades mais urgentes, como garantir o futuro dos filhos, agora graduados. A idade também era um fator de desmotivação.

O início no curso de estética, possibilitado por uma bolsa do Programa Universidade para Todos (ProUni), foi como sair de um rio calmo em meio a um tsunami, descreve Sônia. “Parece que meu cérebro estava em repouso e recebeu uma enxurrada de informações ao mesmo tempo. Agora é como se estivesse sonhando, voando alto. Estou me sentindo melhor, mais capaz”, conta.

Inspiração

Natural de Comercinho, no Vale do Jequitinhonha, Alzemir Batista, de 55 anos, largou os estudos ainda no ensino fundamental para trabalhar na roça. Quando veio para BH, na década de 1990, se arriscou em um negócio próprio, que depois faliu. Anos mais tarde, observando as filhas entre livros e cadernos, ele teve um “insight”.

“Vi que podia fazer o curso de administração que tanto desejava. Fiz o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e hoje vejo a importância do conhecimento para não repetir os erros do passado. Se tivesse as informações teóricas, talvez não tivesse falido”, diz Alzemir, que recebeu uma bolsa de 50% das Faculdades Promove.

Ele conta que a rotina de conciliar trabalho de dia e estudo à noite. A expectativa é a de que o diploma traga mais oportunidades no mercado e melhoria salarial.

“Seja qual for o motivo, recomeçar nunca é tarde e voltar a estudar é sempre oportunidade de ampliar conhecimento, conviver com pessoas mais jovens. Estar conectado ajuda a oxigenar as ideias e se manter ativo. O importante é buscar o que gosta, não importa a dificuldade”, afirma Andrea Arnaut.

Coragem

A estudante Regina Moreira, de 55 anos, que está no terceiro período de Recursos Humanos, concorda com a professora e já faz planos para o futuro. “Hoje, quem não estuda está fora do mundo. O começo foi pesado, principalmente com as tecnologias. Agora não quero parar. Depois que me formar pretendo estudar administração”.

A dica para quem se encontra na mesma situação é acreditar em si mesmo. “Não pensem só nos filhos e não deixem para depois. Tenham coragem, senão o tempo passa”, finaliza Andrea Arnaut.

*Hoje em Dia

Barbara Dias

Barbara Dias

Jornalista com especialização em publicidade e marketing, coordenadora do Portal Sete, editora chefe do Jornal Hoje Cidade e asinsa o programa Tarde Viva na Rádio Eldorado AM 1300

COMENTAR

Clique aqui para enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Eldorado1300

AGENDA

maio 2019
D S T Q Q S S
« abr    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Publicidade

ARQUIVO GERAL

Alvaro Vilaça

Alvaro Vilaça

Jornalista, radialista, âncora do programa Tempo Esportivo na TV Sete Lagoas e diretor de programação da Rádio Eldorado AM1300

Barbara Dias

Barbara Dias

Jornalista com especialização em publicidade e marketing, coordenadora do Portal Sete, editora chefe do Jornal Hoje Cidade e asinsa o programa Tarde Viva na Rádio Eldorado AM 1300

SILVA JUNIOR

Silva Júnior

Silva Júnior

Silva Júnior - Jornalista, radialista, colunista e setorista do futebol sete-lagoano, assina ainda o programa Eldorado nos Esportes na Rádio Eldorado AM 1300

Cebolinha

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.