Adoce sua vida

0
147
Reprodução

Você já parou para pensar o quanto reclamamos da nossa situação, sem antes procurar uma solução que pode estar diante de nós mesmos?

Uma jovem descobriu que o marido a havia traído, e arrasada foi conversar com sua avó.

A avó, após ouvir a história a levou para a cozinha, encheu três panelas com água e colocou cada uma delas no fogão.

Na primeira panela de água ela colocou cenouras, na segunda panela de água colocou ovos, na última panela colocou café.

Sem dizer uma palavra ela aguardou as 3 panelas de água ferver, desligou o fogão, colocou as cenouras em uma tigela e os ovos em outra, pegou o café e derramou o líquido em uma terceira tigela.

Virando-se para a neta, ela disse: Diga-me o que você vê?

Cenouras, ovos e café, ela respondeu.

Sua avó trouxe as tigelas para mais perto e pediu que a neta experimentasse as cenouras.

Ela obedeceu e notou que as cenouras estavam macias.

A avó então pediu que ela pegasse um ovo e o quebrasse, depois de retirar a casca, ela observou o ovo cozido.

Finalmente, pediu que a neta saboreasse o café.

A neta sorriu ao provar seu aroma delicioso, e perguntou: O que significa isso, vovó?

Sua avó explicou que cada um deles havia enfrentado a mesma adversidade: água fervente.

E cada um reagiu de forma diferente.

A cenoura era forte, firme e inflexível, no entanto, após ter sido submetida à água fervente, amoleceu e se tornou frágil.

Os ovos eram frágeis e sua casca fina protegia o líquido no interior, mas depois de colocados na água fervendo, seu interior se tornou mais rijo.

No entanto, o pó de café foi o único que, depois de colocado na água, mudou a água.

Qual deles é você? Perguntou a avó.

Quando a adversidade bate à sua porta, como você responde?

Você é uma cenoura, um ovo ou o café?”

Pense nisso.

Moral da história:

As pessoas mais felizes não têm necessariamente o melhor de tudo, elas simplesmente aproveitam ao máximo tudo o que vem em seu caminho.

Colaborador Academia

Até a semana que vem se Deus quiser, e Ele há de querer.

Por Arnaldo Martins

Cebolinha

Deixe uma resposta