O Brasil que eu quero

0
252
Reprodução

A Copa do mundo é o foco do momento, e o tema não deve ser desviado no Brasil que é conhecido mundialmente como o país do futebol.

Aliás, o tema dessa semana enfocará especificamente o futebol.

O Brasil é o país do futebol?

A pergunta é feita, porque a atual seleção convocada pelo técnico Tite tem apenas três jogadores que atuam no Brasil, e os demais “são todos importados”, ou seja, “foram exportados”.

Fui claro?

Lembrando que, os três jogadores convocados e que atuam em equipes no Brasil, nenhum deles tem titularidade na seleção do Tite.

Você leitor (a) deve estar perguntando: O que tem a ver o título da Conversa Afiada com o tema dessa semana?

“O Brasil que eu quero”.

É óbvio que o título tem tudo a ver!

Sendo o Brasil, o país cuja paixão pelo futebol é clara pode afirmar que, “de técnico e louco, todo brasileiro tem um pouco”. Concorda?

Portanto, esse não é o time titular que muitos brasileiros gostariam de ver em campo.

E a grande pergunta seria: Se você fosse técnico (a) da seleção quais seriam os convocados?

Os cariocas, paulistas, gaúchos, mineiros, enfim, reunidos diriam que os convocados para a Copa do Mundo de 2018 seria: “O Brasil que eu quero é, fulano e mais 10”.

Certamente, no mínimo um jogador da sua equipe do coração faria parte do grupo de convocados.

O torcedor tem hoje outra concepção também do futebol, depois de todas as falcatruas, e corrupção divulgadas e envolvendo dirigentes da FIFA, e claro, com a participação de brasileiros.

Não somos mais uma seleção de futebol temida como em outros tempos, nem tampouco o entusiasmo do torcedor brasileiro é o mesmo.

A competição está apenas iniciando, mas o banho de 7 a 1 que levamos dos alemães há quatro anos aqui dentro de casa, ainda está atravessado na garganta.

Muitos brasileiros torcem para ver esse time conquistando o título mais uma vez, embora outros tenham guardado dentro do peito a sua “seleção” para gritar em caso de tropeço.

“É esse o Brasil que eu quero”.

Colaborador Academia

Até a semana que vem se Deus quiser, e Ele há de querer.

Por Arnaldo Martins

Cebolinha

Deixe uma resposta