Destaques

Líderes de seita evangélica são presos por escravizar fiéis em Minas

Imóvel alvo da operação em Poços de Caldas, no Sul de Minas, foi interditado nesta manhã
Imóvel alvo da operação em Poços de Caldas, no Sul de Minas, foi interditado nesta manhã

Os líderes da seita “Comunidade Evangélica Jesus, a Verdade que Marca” voltaram a ser alvos da Polícia Federal (PF) por supostamente escravizar fiéis em Minas Gerais, São Paulo e Bahia. Além desse crime, a corporação investiga o grupo por tráfico de pessoas, estelionato, organização criminosa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Em 2013 e 2015, a seita já esteve na mira dos agentes federais pelos mesmos delitos.

Desta vez, 220 policiais federais e 55 auditores fiscais do Ministério do Trabalho cumprem 22 mandados de prisão preventiva, 17 de interdição de estabelecimento comercial e outros 42 de busca e apreensão. Todas as ordens judiciais foram expedidas pela Justiça Federal em Belo Horizonte.

Aliciamento

De acordo com a investigação da PF, os dirigentes da seita teriam aliciados fiéis em igrejas localizadas na capital paulista. No templo, os crentes foram convencidos a doarem e passarem todos os bens para membros da organização. “Para tanto, teriam se utilizado de ardis e doutrina psicológica, sob o argumento de convivência em comunidades, onde todos os bens móveis e imóveis seriam compartilhados”, explicou a corporação.

Depois, segundo apuração da polícia, os fiéis eram levados para as cidades de Contagem, Betim, Andrelândia, Minduri, Madre de Deus, São Vicente de Minas, Pouso Alegre e Poços de Caldas, em Minas; para Ibotirama, Luiz Eduardo Magalhães, Wanderley e Barra, na Bahia; e para a capital de São Paulo. Nesses municípios, os crentes seriam submetidos a extensas jornadas de trabalho – sem remuneração – em lavouras, oficinas mecânicas, postos de gasolina, entre outros estabelecimentos.

“Por meio da apropriação do patrimônio dos fiéis e do desempenho de atividades comerciais sem o pagamento da mão-de-obra, a seita teria acumulado vultoso patrimônio, contando com casas, fazendas e veículos de luxo. Atualmente, estaria expandindo seus empreendimentos para o estado do Tocantins, baseados na exploração ilegal”, garantiu a PF.

Se condenados por todos os crimes, os líderes poderão cumprir até 42 anos de prisão.

Canaã

A operação deflagrada nesta terça-feira (6) foi denominada “Canaã – A Colheita Final”. Ela é um desdobramento das operações “Canaã” (2013) e “De volta para Canaã” (2015). Na ocasião, cinco líderes foram presos, mas liberados dias depois. Na época, o advogado Leonardo Carvalho de Campos, representante dos indiciados, afirmou que a PF não possui provas concretas. “Estamos muito tranquilos porque não existem provas de trabalho escravo e lavagem de dinheiro”, garantiu.

A reportagem do site Hoje em Dia ligou para o defensor da seita, porém, o advogado relatou que o mesmo está de licença médica e, por isso, não não está acompanhando a operação deflagrada nesta terça.

Da Redação, com site Hoje em Dia

RÁDIO ELDORADO

AGENDA

fevereiro 2019
D S T Q Q S S
« jan    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728  

Publicidade

ARQUIVO GERAL

Alvaro Vilaça

Alvaro Vilaça

Jornalista, radialista, âncora do programa Tempo Esportivo na TV Sete Lagoas e diretor de programação da Rádio Eldorado AM1300

Giovani Cruz

Giovani Cruz

SILVA JUNIOR

Silva Júnior

Silva Júnior

Silva Júnior - Jornalista, radialista, colunista e setorista do futebol sete-lagoano, assina ainda o programa Eldorado nos Esportes na Rádio Eldorado AM 1300

Linda Martins

Giovani Cruz

Giovani Cruz

Cebolinha

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.