Cidade Falecimentos Super Destaques

Atualização: Prefeito lamenta morte e decreta luto oficial pela morte de Antônio Valace aos 101 anos

Chapéu e bigode, marca indefectível de Valace | Foto: Fernanda Lages

A Prefeitura de Sete Lagoas decretou luto oficial por três dias, pelo falecimento de Antônio Valace de Oliveira Silva, aos 101 anos ocorrido em sua residência neste sábado, 6.

Natural de Matozinhos, ele chegou em Sete Lagoas aos nove anos de idade, tendo participação efetiva no desenvolvimento de Sete Lagoas em vários segmentos, se destacando na política.

Valace foi presidente da Cooperativa dos Produtores de Leite de Sete Lagoas (1968-1972), diretor da Frimisa, no governo Tancredo Neves, ajudou a fundar o PTB – Partido Trabalhista Brasileiro -, que culminou com a eleição de João Herculano para prefeito, ele também integrou a Força Expedicionária Brasileira

Também foi sócio e fundador do Iporanga Social Clube, do Clube Náutico de Sete Lagoas, da Telefônica de Sete Lagoas (Telesete). Venerável na Loja Maçônica Liberdade e União, 140, conselheiro da Cohab no governo estadual de Eduardo Azeredo e presidente da Seltur, no mandato de Ronaldo Canabrava, recebeu ainda condecoração com a Medalha da Inconfidência Mineira.

O prefeito Duílio de Castro, lamentou a perda de um dos sete-lagoanos mais ilustres,  que destacou pela sua atuação em prol do desenvolvimento da cidade. “Falar de Antônio Valace e tudo que foi pra Sete Lagoas é muito fácil. Foi uma pessoa que teve participação ativa em todas as decisões na política. Foi um dos fundadores da FEMM que mudou a vida de muitas pessoas, além de sua militância na vida partidária e política. É indiscutível sua importância e sem dúvida a cidade perde um de seus filhos mais queridos, pai do vereador Caio, avô de Nuno pessoas que participam ativamente da política. Temos carinho muito grande. Agradecemos a família por ter nos cedido por tantos anos e pela participação nas decisões de Sete Lagoas. Antônio Valace foi um grande homem para Sete Lagoas”, disse o Chefe do Executivo.

Marcio Reinaldo Dias Moreira, ex- deputado federal e ex- prefeito de Sete Lagoas, também lamentou a morte de Antônio Valace.o ” A sociedade assiste a passagem de um dos mais notáveis homens que viveu, criou filhos, deu exemplos de dignidade e força hercúlea, seja no  trabalhou no esporte setelagoano. Reverencio a sua memória e um abraço amigo e de conterrâneo aos familiares. Que Deus lhe dê o descanso eterno” disse.

Antônio Valace era casado com Maria das Graças Diniz, pai de Heloisa, Sérvio, Eveline, Caio Valace, Jaqueline, Demetrius e Lucas, avô de Júlia, André, Fernanda, Nuno, Pedro, Estevão, Samuel,Túlio, Nathalia, Gustavo, Luan, Luíza e Ierê e tinha três bisnetos: Violeta, Vicente e Zara.

Homenagem dos 100 anos 

Uma reportagem especial foi publicada no jornal Sete Dias na coluna Nossa Gente, assinada pela filha Heloisa Aline nos 100 anos do pai Antônio Valace de Oliveira Silva, que contou toda sua história.

Confira a reportagem:

Posso dizer que, se há uma palavra que define a personalidade de meu pai, ela é realização. Dono de uma energia indomável, ele é um homem sempre em movimento, uma inteligência nata. O menino que mal cursou a quarta série de grupo escolar, que desde cedo ajudava o pai, boiadeiro, “tocando” gado, é movido pelo fazer, pelo construir, pelo trabalho. E onde quer que tenha passado, seja como diretor comercial e, depois, como presidente da Cooperativa dos Produtores de Leite de Sete Lagoas (1968-1972), seja como diretor da Frimisa, no governo Tancredo Neves, levou consigo a paixão por inovar, imprimir sua marca no tempo. Na cooperativa, que tinha enorme importância na época, criou a Festa do Leite com o objetivo de valorizar e divulgar a bacia leiteira de Sete Lagoas, e lançou a linha Sete de produtos derivados do leite, com uma criativa campanha publicitária. Na Frimisa, lutou para sanear e colocar em pé uma empresa vital para a pecuária mineira, que precisava de um braço forte para se reeguer.

Chegou aqui por volta dos nove anos e, desde então, adotou Sete Lagoas como sua casa. Não se furtou em participar dos movimentos que gerassem melhoria e engrandecimento da cidade. Nesse intuito, foi membro fundador da Fundação Monsenhor Messias/Unifemm, e hoje é o atual presidente de honra do Conselho. Junto à minha mãe, sua primeira mulher, a educadora Isis da Silva Oliveira, com quem se casou em 1954, entrou na campanha pró educandários gratuitos, que resultou na construção do antigo colégio Márcio Paulino.

Outra paixão que alimentou a vida de Valace foi a política. Uma vocação visceral em um tempo que ela era representada por um grupo de homens honrados, que se engajavam voluntariamente nas causas em que acreditavam.  Ajudou a fundar o PTB – Partido Trabalhista Brasileiro -, que culminou com a eleição de João Herculano para prefeito. Polêmico e intransigente em alguns momentos, fez muitos amigos e alguns desafetos circunstanciais ao defender suas bandeiras nesse campo. Com Renato Azeredo – que o chamava de “xerife – , Wilson Tanure e Afrânio Avelar, tríade com quem compartilhou muitas batalhas, passou pelo PSD – Partido Social Democrata, pelo MDB – Movimento Democrático Brasileiro e, posteriormente, PMDB, do qual foi presidente por 10 anos (1972 a 1982). Foram muitas as campanhas vitoriosas de companheiros como Sérgio Emílio, Afrânio Avelar, Renato Azeredo, Wilson Tanure, Itamar Franco, entre outras. Profundo conhecedor da cidade, estrategista, sempre teve um tino especial para detectar a percentagem de votos que os candidatos do partido teriam em cada bairro. Eu ficava surpresa em perceber como ele era certeiro.

Nas poucas vezes que o vi chorar, uma delas foi pela morte de Wilson Tanure, por quem nutria enorme carinho. Depois, pela perda do filho, meu irmão, o psicólogo Marcus Vinícius, assassinado na Bahia, um dor latente no seu coração. Na lista dos amigos fiéis, Renato Azeredo ocupa um lugar especial e, entre outras demonstrações de amizade, o indicou para a Frimisa, em 1983, um ano após uma campanha a prefeito (1982), na qual perdeu para Marcelo Cecé, mas cujos votos contribuíram para elegê-lo.

Meu pai sempre teve como valor da alma a gratidão. As conversas familiares sempre esbarram nesse sentimento, particularmente pelas pessoas que o ajudaram no início dos negócios. Tempo de muito trabalho, de levantar de madrugada para a lida nas fazendas, driblando empecilhos e dificuldades, guiado pela força da juventude, pelo entusiasmo para progredir, pela perspectiva da família que crescia. As lembranças desses amigos leais são sagradas em sua memória.  Alguns deles, por ser a mais velha de oito filhos, tive a oportunidade de conhecer. José Costa, que lhe vendeu o seu primeiro açougue para a sociedade com meu tio Paulo, numa transação de “pai para filho”; Pirunga, com quem jogou do futebol, peça vital na compra do primeiro sítio, após ver negado um empréstimo no Banco Agrícola; Janjão das Areias, que lhe garantiu preferência para a aquisição dessa propriedade; José Lopes, fazendeiro em Curvelo, que lhe vendia gado para pagar em condições especialíssimas, assim como João do Candu, outro parceiro comercial generoso; Lustosa, gerente do Banco Mercantil, que segurava os cheques, quando a situação apertava.

A história do meu pai mistura-se com a história da cidade. Ele foi sócio e fundador do Iporanga Social Clube, do Clube Náutico de Sete Lagoas, da Telefônica de Sete Lagoas (Telesete). Venerável na Loja Maçônica Liberdade e União, 140, conselheiro da Cohab no governo estadual de Eduardo Azeredo e presidente da Seltur, no mandato de Ronaldo Canabrava, recebeu ainda condecoração com a Medalha da Inconfidência Mineira.

“Uma vida bonita”: é como ele define a sua trajetória centenária. Um dos últimos exemplares de homens honrados, de um tempo em que o fio do bigode valia mais que uma assinatura de contrato. Pai de oito filhos, avô de 13 netos e uma bisneta, casado há 36 anos com Maria das Graças Diniz, Valace é uma lenda viva. Honra e honestidade é o legado que fica dessa existência rica, exemplo para todos nós que o amamos e admiramos.

Por Heloisa Aline (filha) (Jornal Sete Dias)

Antônio Valace com o filho Caio Valace, netos Nuno e Samuel

 

É com pesar que a família de Antônio Valace comunica seu falecimento, na madrugada de hoje, e que seu corpo será velado na UNIFEMM, de 12h às 16h30. O sepultamento ocorrerá às 17h, no cemitério Santa Luzia.

 

 

 

 

 

Eldorado1300

AGENDA

novembro 2021
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Publicidade

ARQUIVO GERAL

Alvaro Vilaça

Alvaro Vilaça

Jornalista, radialista, âncora do programa Tempo Esportivo na TV Sete Lagoas e diretor de programação da Rádio Eldorado AM1300

Redação Redação

Redação Redação

SILVA JUNIOR

Avatar

Cebolinha

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.

Rádio Eldorado