Saúde

Setembro Amarelo: como acolher as pessoas que perderam entes queridos por suicídio durante a pandemia

Segundo o último levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre suicídio, mais de 700 mil pessoas decidiram tirar a própria vida em 2019, número superior ao de mortes por HIV, malária, câncer de mama e homicídio. No Brasil, foram registrados 12.895 casos em 2020, de acordo com os dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Para os sobreviventes enlutados, termo criado por especialistas para se referir a quem enfrenta o suicídio de um parente ou amigo, o sentimento de perda foi agravado durante a pandemia diante das restrições impostas para evitar a propagação do vírus.

“O processo de luto tem sido dificultado no atual cenário principalmente por causa de dois aspectos: distanciamento social e velórios limitados a poucas horas de duração e máximo de 10 pessoas presentes. Dessa forma, quem está enfrentando essa situação acaba se isolando e sente que faltou uma homenagem e despedida mais simbólicas ao ente querido”, explica a psicóloga Luciene Bandeira, cofundadora da Psicologia Viva, maior empresa digital de saúde mental da América Latina e integrante do Grupo Conexa.

A psicóloga apresenta quatro especificidades que os sobreviventes enlutados enfrentam que se diferencia da dor por outros tipos de morte: sentimento de culpa, procura por justificação, estigma social e abandono. Tudo isso pode causar depressão, desenvolvimento de transtornos mentais, queda de produtividade, dependência química e desinteresse em sua própria vida.

Diante disso, Luciene destaca a importância da posvenção – cuidados e intervenções aos sobreviventes enlutados – como uma forma de identificar e valorizar fatores de proteção que possuam maior influência sobre os indivíduos, como senso de responsabilidade com a família; laços sociais bem estabelecidos com parentes e amigos; estar empregado; ter crianças em casa; capacidade de adaptação positiva, além de acesso a serviços e cuidados de saúde mental.

Esse último, por sinal, tem crescido consideravelmente nos últimos dois anos. Por recomendação do Conselho Federal de Psicologia (CFP), as terapias presenciais passaram a acontecer na modalidade on-line, durante a Covid-19, visando a segurança de pacientes e psicólogos. Essa medida contribuiu para que mais pessoas se sentissem à vontade para procurar ajuda profissional, acredita Luciene.

“Percebemos que os pacientes têm se sentido mais seguros e confortáveis em expressarem suas emoções no seu próprio ambiente doméstico pelo fato de não ficarem expostos aos riscos de contaminação e também por terem maior flexibilidade de horários”.

A cofundadora da Psicologia Viva ressalta que o luto é um processo individual e não tem tempo específico de duração, pois cada um reage de maneira diferente e sua resolução envolve algumas ressignificações em relação à perda, aceitação da condição e adaptação ao novo contexto. Para lidar com a ausência do ser que partiu, Luciene sugere algumas dicas:

  • Busque grupos de apoio organizados por profissionais e/ou pessoas que vivenciaram o luto. Eles serão fundamentais no processo de afeto e acolhimento para você não se sentir só;

 

  • Caso se sinta confortável, realize rituais de despedida que acalmem o teu coração;

 

  • Participe de grupos de voluntariado como CVV (Centro de Valorização da Vida) e outros para se sentir coparticipante de transformações de vidas;

 

  • Escreva conteúdos que possam contribuir com outras pessoas que estão passando por situações difíceis como você;

 

  • Crie formas de homenagear seu ente querido de uma maneira que traga lembranças positivas e agradáveis;

 

  • Compartilhe teus sentimentos com quem tem genuíno interesse em te ouvir e te dar forças.

 

Centro de Valorização da Vida (CVV)
Caso você esteja ou conheça alguém pensando em cometer suicídio, procure ou oriente a pessoa a procurar ajuda especializada como o CVV (Centro de Valorização da Vida). O CVV funciona 24 horas por dia (inclusive aos feriados) pelo telefone 188, e também atende por e-mail, chat e pessoalmente. São mais de 120 postos de atendimento em todo o Brasil.

Sobre o Setembro Amarelo
O Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio. No Brasil, foi criado em 2015 pelo CVV, CFM (Conselho Federal de Medicina) ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), com a proposta de associar à cor ao mês que marca o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio (10 de setembro). Mais informações em www.setembroamarelo.org.br

 

Sobre o Grupo Conexa:
Player de saúde digital, o Grupo Conexa cuida de mais de 16 milhões de pacientes com a parceria de 67 mil profissionais de saúde, em mais de 30 especialidades.

Fundada no Rio de Janeiro, em 2016, como uma clínica de saúde voltada à atenção primária, reformulou seu modelo de negócio em 2017 e se tornou uma plataforma de telemedicina, com a missão de revolucionar o acesso à saúde de qualidade, tornando a jornada e a experiência do paciente mais fácil, segura e humanizada.

Em 2020, adquiriu a iMedicina, desenvolvedora de software de médicos, prontuário eletrônico e líder em atração e fidelização de pacientes.

Em março deste ano, uniu-se à Psicologia Viva, maior empresa de saúde mental da América Latina.

A companhia faz parte da Saúde Digital Brasil (SDB) e tem como clientes, hospitais, operadoras de saúde, laboratórios, além de grandes instituições do varejo e do setor financeiro, como Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), Magazine Luiza, Seguros Unimed, Intermédica, entre outras.  Saiba mais em https://www.conexasaude.com.br/

 

 

bowler/Leandro Siqueira

 

Eldorado1300

AGENDA

outubro 2021
D S T Q Q S S
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Publicidade

ARQUIVO GERAL

Alvaro Vilaça

Alvaro Vilaça

Jornalista, radialista, âncora do programa Tempo Esportivo na TV Sete Lagoas e diretor de programação da Rádio Eldorado AM1300

Redação Redação

Redação Redação

SILVA JUNIOR

Avatar

Cebolinha

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.

Rádio Eldorado