Hoje tem a 5ª Temporada de Teatro de Sete Lagoas

0
175
Dentro da temática da diversidade, a 5ª Temporada de Teatro de Sete Lagoas aborda a questão do negro com o espetáculo Kalundu, de Banjamin Abras, em que as forças afro-brasileiras agem como base da performance. O espetáculo será encenado nesta sexta, dia 10, às 20h, no anfiteatro do Casarão Nhô Quin Drummond, com entrada franca. A realização é da Preqaria Cia de Teatro, com apresentação do Circuito Cultural Cimentos Nacional por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura e correalização da Prefeitura. Apoios de Panificadora Galdino, Churrascaria Três Marias, Unifemm, Faculdades Santo Agostinho, Hotel Real e Hotel Atlas.
Na performance, fragmentos de palavras, cânticos e dialetos antigos evocam através da voz a presentificação de um corpo permeado por outros corpos. O performer faz da voz a via de deslocamento destas corporeidades, gerando um espiral onde o encarnar da palavra assenta memórias de poéticas da diáspora africana, silenciosamente resguardadas pela potência de suas fragilidades no jogo “lúdico” das mandingas populares.
Benjamin Abras
Nascido em 1975 em Belo Horizonte, Benjamin Abras é um artista de intermídias que traz em suas pesquisas as técnicas existentes na ritualística das tradições afro-brasileiras como suporte de uma produção performativa, visual e sonora, entrecruzando as bases e a reflexão filosófica das mitologias da Umbanda, Quimbanda e dos Candomblés (ketu e Angola). É poeta, ator, bailarino, cantor, compositor e artista visual. Iniciou sua formação em cenografia no estúdio Artes Explícitas em 1991 e prosseguiu no estúdio do artista Sebastião Pimenta estudando desenho e pintura oriental, em especial sumi-ê zen. É capoeirista (Treinell) do grupo Eu sou Angoleiro desde 1997, e Yao da casa Ilê Ogunfunmilayo do babalorixá Erisvaldo de Ogum. Foi ator bailarino da Cia será Q? dirigida por Rui Moreira.
SERVIÇO:
5ª Temporada de Teatro de Sete Lagoas
Sexta, 10 de agosto, 20h
Anfiteatro do Casarão (Praça Tiradentes, Centro)
Direção, dramaturgia e performance: Benjamin Abras
Músico: Ricardo Campos
Entrada franca

Deixe uma resposta