Motorista bêbado invade casa e mata criança de 7 anos que brincava no quintal

0
447
Menino brincava no quintal da avó no momento do acidente
Testemunhas contaram que o carro estava em alta velocidade, um passageiro do veículo contou que ele e o motorista tinham feito uso de bebida alcoólica o dia todo

Uma criança de apenas 7 anos brincava no quintal da casa dos avós quando um motorista, supostamente embriagado, invadiu a residência derrubando o muro  e matando o pequeno José Antônio  Vieira de Alcântara. A tragédia aconteceu na noite desta segunda-feira (11), por volta de 18h, no bairro Coqueiral, na cidade de Ataléia, no Vale do Jequitinhonha.

De acordo com a Polícia Militar, o motorista do veículo fugiu do local logo após o acidente, mas um passageiro que estava com ele procurou a polícia e afirmou que os dois fizeram uso de bebida alcoólica durante todo o dia, antes do acidente.

O passageiro ainda relatou à polícia que o motorista disse ter perdido o freio do Corsa Sedan que ele dirigia e por isso passou direto e acabou atingindo a casa. O passageiro quis socorrer o menino, mas ficou com medo e também foi embora do acidente.  Testemunhas disseram à polícia que o carro estava em alta velocidade, antes de provocar o acidente.

A polícia foi acionada por vizinhos da vítima que viram o acidente. Quando os militares chegaram ao local encontraram o carro batido em um poste e também no muro. Revoltados com a morte da criança, moradores da cidade depredaram o carro, mas ao avistarem a viatura fugiram.

“A família está completamente abalada com essa tragédia. O menino estava inocentemente brincando na casa dos avós quando aconteceu essa tragédia. Não dá nem para acreditar. A gente fica revoltado com esses acidentes”, declarou uma amiga da família que preferiu não se identificar.

Procurada, a família preferiu não se pronunciar sobre o caso.

Criança chegou a ser socorrida, mas não resistiu 

José foi socorrido pela polícia para um hospital de Ataléia, mas precisou ser transferido para o Hospital de Santa Rosália, em Teófilo Otoni, na mesma região, onde acabou morrendo. O corpo dele foi encaminhado ao Instituto Médico-Legal (IML) de Teofilo Otoni.

O velório do pequeno José começouna manhã desta terça-feira (12) na casa de familiares. Ele  será enterrado no cemitério da cidade às 21h.

Segundo a Polícia Civil um inquérito já foi aberto para investigar o caso. Diligências estão sendo feitas, mas até o momento o suspeito não foi encontrado e por isso as polícias não conseguiram confirmar se ele estava realmente bêbado. A Polícia Civil disse que não vai dar mais detalhes sobre o caso para não atrapalhar as investigações.

A tragédia chocou a cidade de Ataléia que tem 13. 762 habitantes e fica a 501 Km de Belo Horizonte. “A gente fica muito assustado né. Eu acho que não era só bebida não, devia ter droga com esse motorista também, para provocar o acidente do jeito que foi”, disse um comerciante da cidade.

Punição para quem comete acidentes bêbado

Desde o último dia 19 de abril entrou em vigor a Lei 13.546/2017, que ampliou as penas mínimas e máximas para o condutor de veículo automotor que provocar, sob efeito de álcool e outras drogas, acidentes de trânsito que resultarem em homicídio culposo (quanto não há a intenção de matar) ou lesão corporal grave ou gravíssima.

Antes, a pena de prisão para o motorista que cometesse homicídio culposo no trânsito estando sob efeito de álcool ou outras drogas psicoativas variava de 2 a 5 anos. Com a mudança, a pena aumenta para entre 5 e 8 anos de prisão.

Além disso, a lei também proíbe o motorista de obter permissão ou habilitação para dirigir veículo novamente. Já no caso de lesão corporal grave ou gravíssima, a pena de prisão, que variava de seis meses a 2 anos, agora foi ampliada para prisão de 2 a 5 anos, incluindo também a possibilidade de suspensão ou perda do direito de dirigir.

As alterações no Código Brasileiro de Trânsito (CBT) também incluem a tipificação como crime de trânsito a participação em corridas em vias públicas, os chamados rachas ou pegas. (Com Agência Estado).

Da redação 

Deixe uma resposta