O Brasil que eu quero

0
669

Na última edição desse espaço, falei da cobiça de candidatos que pleiteiam a faixa presidencial do Brasil nas eleições de outubro próximo.
Mas não basta apenas querer.

Assistimos diariamente na TV Globo depoimentos de eleitores dos lugares mais longínquos de Brasília (DF), sede dos governantes do país.

Observamos que os anseios da população são os mais diversos, embora o percentual de pedidos para acabar com a corrupção no país seja a número 1.

Nós mesmos criamos o estigma que “aqui tudo termina em pizza”, “aqui se dá um jeitinho em tudo”, “aqui as punições só atingem os pequenos”, enfim, esse não é o Brasil que queremos.
Atente para história abaixo:
Um homem muito rico estava mal, agonizando, e pediu papel e caneta. Escreveu assim:
Deixo meus bens a minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do padeiro nada dou aos pobres.
Morreu antes de fazer a pontuação.

A quem deixava a fortuna? Eram quatro concorrentes.

O sobrinho fez a seguinte pontuação:
Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.
A irmã chegou e pontuou assim o escrito:
Deixo meus bens à minha irmã. Não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.
O padeiro pediu cópia do original e puxou a brasa para a sardinha dele:
Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.
Aí, chegaram os descamisados da cidade e um deles, sabido, fez esta interpretação:
Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro? Nada! Dou aos pobres.
Moral da história:
A vida pode ser interpretada e vivida de diversas maneiras, nós é que fazemos a pontuação.
O Brasil que eu quero, posso contribuir para que ele mude.
Basta fazer minha parte.
“Se todos brasileiros varressem a porta de sua casa ao mesmo tempo, em poucos minutos o Brasil estaria limpo”.
Pense nisso!

Colaborador Academia
Até a semana que vem, se Deus quiser, e Ele há de querer.

Por Arnaldo Martins

Cebolinha

Deixe uma resposta