Oswaldo de Oliveira se descontrola com pergunta, bate-boca e vai para cima de repórter após empate do Atlético; veja vídeo

0
235
Foto: Web

Treinador discutiu com repórter Léo Gomide, da Rádio Inconfidência

O técnico Oswaldo de Oliveira se descontrolou durante entrevista coletiva após o empate do Atlético com o Atlético-AC, por 1 a 1, pela primeira fase da Copa do Brasil. O treinador não aceitou a construção da pergunta do repórter Léo Gomide, da Rádio Inconfidência, discutiu com o jornalista e chegou a partir para cima dele, sendo contido pelo diretor de comunicação do clube, Domênico Bhering.

A discussão

Leia abaixo a transcrição, na íntegra, da discussão entre o técnico Oswaldo de Oliveira e o repórter Leo Gomide

Léo Gomide: “Oswaldo, que pesem estes fatos: logística e situação climática. Durante os 90 minutos de jogo, o que pareceu é que o Atlético não sabia se atacaria pelos lados, se tentaria contragolpear o Atlético Acreano, se buscaria…”

Oswaldo de Oliveira: “Não, não concordo com você. Nós…”

Léo Gomide: “Posso completar, por favor?”

Oswaldo de Oliveira: “Não, não pode, porque você sempre faz essas perguntinhas mal intencionadas. É verdade….”

Léo Gomide: “Eu quero perguntar do jogo”

Oswaldo de Oliveira: “Não, você não está perguntando do jogo. Você está dando sua opinião. Quem tem que dar opinião sou eu, não é você. Você opinou. Você disse que não sabia onde que o time estava jogando. Não, não, não, não. Não seja tendencioso. Se você fizer uma pergunta, eu te respondo”

Léo Gomide: “Deixa eu refazer a pergunta”

Oswaldo de Oliveira: “Você está querendo colocar palavras na minha boca e eu não vou aceitar”

Léo Gomide: “Eu vou te refazer a pergunta. Deixa eu fazer a pergunta então”

Oswaldo de Oliveira: “Então faça a pergunta”

Léo Gomide: “Por onde o Atlético buscou atacar hoje: mais pelos lados ou mais pelo centro e como ele procurou se defender? Porque em vários momentos…”

Oswaldo de Oliveira: “Não tem ‘porque’. A sua pergunta é essa?”

Léo Gomide: “Estou te perguntando…”

Oswaldo de Oliveira: “A sua pergunta é essa? Nós atacamos de todas as formas que nós conseguimos. Planejamos, treinamos fazer as jogadas pelo lado do campo, planejamos as jogadas de bola parada, planejamos os contra-ataques em velocidade que aconteceram. Criamos várias oportunidades no primeiro tempo, criamos várias oportunidades no segundo tempo. O árbitro poderia ter dado dois pênaltis e nós termos saído daqui com 3 a 1 ou 3 a 2. Acho que essa é a síntese. Agora, quem não tem boa vontade, quem quer usar o lado pejorativo, faz o tipo de pergunta que você fez. Só que você repete isso. Todas as vezes você repete a mesma coisa. Eu, calmamente, tenho administrado. Mas, hoje, a sua insistência… Muito difícil, muito difícil.”

Léo Gomide: “Você acha que tem alguma coisa positiva de hoje? Tem alguma coisa positiva?”

Oswaldo de Oliveira: “Claro que tem. Nós estamos classificados, rapaz. Vocês não estavam falando do Botafogo ontem? O Atlético está classificado”

Léo Gomide: “Eu não cubro o Botafogo. Eu não cubro o Botafogo”
Oswaldo de Oliveira: “Isso é positivo. O Atlético está classificado. Isso é positivo. Ou não está? Você imagina…”
Léo Gomide: “Se o Atlético repetir as atuações, ele chega longe na Copa do Brasil?”
Oswaldo de Oliveira: “Quem disse que ele vai repetir? Você pode garantir isso? Não, não adianta…”
Léo Gomide: “É isso que eu estou querendo te perguntar e você não está deixando”
Oswaldo de Oliveira: “Eu estou deixando. Você é que não quer perguntar. Você quer fazer análise”
Léo Gomide: “Muito obrigado, muito obrigado, muito obrigado”
Oswaldo de Oliveira: “Você quer fazer análise”

Léo Gomide: “É o meu papel, não é?”

Oswaldo de Oliveira: “Comigo não. Você faz análise na sua interpretação do jogo na sua rádio. Aqui, você faz a pergunta e eu respondo”

Léo Gomide: “Eu quero te fazer uma pergunta e você não está deixando. Muito obrigado”
 
Oswaldo de Oliveira: “Eu é que te agradeço. Eu é que te agradeço”

Léo Gomide: “Você disse que estava calmo… (inaudível”

Cláudio Rezende, da rádio Itatiaia: “Sobre o Erik. Você deu a chance para ele hoje. Ele disse para a gente que ficou sabendo hoje à tarde. A mudança foi realmente técnica…”
Oswaldo de Oliveira: “Caralho é você, ô babaca. Caralho é você”

Oswaldo de Oliveira parte para cima de Léo Gomide após entender que foi xingado (parte inaudível nos vídeos publicados na internet até o momento da publicação da matéria). O repórter se afasta, e a entrevista é parcialmente interrompida. Diretor de comunicação do Atlético, Domênico Bhering tenta impedir os avanços do treinador.

Oswaldo de Oliveira: “Que porra é essa? Você está pensando que está falando com quem? Você está pensando que está falando com quem?”

Léo Gomide: “Mas eu não falei nada. Só você ouviu isso”

Oswaldo de Oliveira: “Vai se foder, rapaz. Babaca. Babaca. Você está pensando que você é o quê? Tu está pensando que tu é o que?”

Roberto Abras, da Rádio Super Notícia: “Calma, calma, Oswaldo, calma”

Oswaldo de Oliveira: “Você vai me dizer o que você quer? Você é imbecil”

Léo Gomide: “Não vou dizer nada. Não falei nada”

Ao voltar para sua posição e continuar a entrevista coletiva, uma terceira pessoa, que supostamente seria o diretor de comunicação do Atlético, Domênico Bhering, disse: “Ele é um babaca. Não vale a pena. Não vale a pena”.

Oswaldo de Oliveira: “Vai falar palavrão na sua casa, para a sua família. Para mim não”

Por fim, o técnico continuou a entrevista coletiva e respondeu outras perguntas até o encerramento.

Posicionamentos

O repórter não quis se pronunciar sobre o assunto. Procurado, o diretor de comunicação do Atlético, Domênico Bhering, não respondeu as mensagens. Ele foi indagado se o clube se posicionaria sobre o episódio e se confirmava que também se dirigiu a Léo Gomide com o termo “babaca”.

Deixe uma resposta