Estenda sua mão

0
1263
Divulgação

Ajudar o próximo deveria ser um ato constante na vida de nós que cremos em Deus, afinal de contas, esse é um dos ensinamentos que recebemos “Dele”.

Estamos no final do ano e seria importante cada um fazer um balanço das ações que pratica para ajudar aqueles que precisam de nós.

Sei também que existem pessoas com a consciência “pesada”, por ter praticado atos para prejudicar seu próximo.

Pessoas que pensando apenas no poder usam a falsidade e mentiras, para manter o seu status de profissional.

Pessoas desse staff são merecedores de dó, lembrando que existe um sábio e verdadeiro ditado que diz: Quanto maior a árvore maior é o tombo.

Mas existem pessoas que agem com o coração cheio de amor e para o próximo.

Atente para história abaixo:

– Um menino estava de pé descalço na frente de uma loja de sapatos tremendo de frio.

Um homem se aproximou e disse: Meu pequeno amigo o que você está olhando tão intensamente nessa janela?

Ele respondeu: Eu estou pedindo a Deus para me dar um par de sapatos ou uma blusa.

O homem tomou-o pela mão e levou-o para dentro da loja e pediu a um funcionário uma blusa de frio e meia dúzia de pares de meias para o menino e um par de sapatos.

Perguntou se podia dar uma bacia de água e uma toalha e levou a criança para os fundos da loja. Com amor começou a lavar os pés da criança e secar, em seguida, colocou a blusa e as meias e os sapatos.

Ele fez um carinho na cabeça dele e disse: Sem dúvida, pequeno amigo que você deve sentir mais confortável agora.

Quando ele se virou para sair, a criança muito feliz estendeu a mão e pegou a mão dele, olhando para ele com lágrimas nos olhos, perguntou: Você é Deus Senhor?

E ele respondeu: Não, só sou uma pessoa agradecida por tudo que ele me deu.

Imagine como o mundo seria diferente se isso fosse mais comum na vida das pessoas?

Sou eternamente grato a Deus por tudo que ele me deu, pois foi muito mais do que eu merecia.

Estenda sua mão!

Colaborador Academia

Até a semana que vem se Deus quiser, e Ele há de querer.

Por Arnaldo Martins

Cebolinha

Deixe uma resposta