Amizade não tem preço

0
1580
Reprodução

Quantas vezes falamos que os verdadeiros amigos são poucos? Às vezes até contamos nos dedos e mostramos que os verdadeiros amigos não superam a quantidade de dedos que temos em apenas uma das mãos.

Quando estamos “por cima da carne seca” como diz um velho ditado, os “amigos” aparecem. É o dinheiro, fama e poder. Mas tudo é passageiro, “do pó viemos ao pó voltaremos”.

Independente da condição econômica financeira ou posição social, os verdadeiros amigos estarão sempre ao nosso lado em todos os momentos.

A minha índole e meu caráter são de lealdade e fidelidade, portanto, meus verdadeiros amigos não os abandonarei jamais.

Atentem para a história abaixo:

Paulo ligou para o seu amigo André e disse: Preciso de dinheiro, minha mãe está doente, não tenho dinheiro para os medicamentos.

O seu amigo respondeu: Está bem, meu querido amigo, me ligue depois das atividades do dia.

Dito e feito, ele o ligou, mas o telefone estava desligado. Ele tentou ligar repetidas vezes até que ele se cansou, e foi procurar outro amigo que pudesse ajudá-lo, mas ele não conseguiu encontrar nenhum.

Triste e desapontado com aquele amigo, que o abandonou e desligou o telefone quando ele mais precisava, ele voltou para casa e encontrou um saco de medicamentos junto da almofada onde sua mãe estava dormindo.

Ele perguntou a seu irmão, que o disse: Seu amigo veio e recolheu as receitas e trouxe esses medicamentos. Ele já foi faz tempo.

Ele sorriu com lágrimas nos olhos, saiu à procura de seu amigo. Quando o encontrou, ele perguntou: Onde tu estiveste? Eu tentei ligar para ti, mas o teu telefone estava desligado?

O amigo respondeu: “Amigo, vendi o telefone e comprei os medicamentos da tua mãe”.

Você entende o que é amizade de verdade? Amigo de verdade não cruza os braços até que o outro amigo esteja bem. Verdadeiro amigo é um irmão embora de mãe diferente.

Para o bom entendedor, meia palavra basta: diz o velho ditado.

Colaborador Academia

Até a semana que vem se Deus quiser, e Ele há de querer.
Por Arnaldo Martins

Cebolinha

Deixe uma resposta