O machismo te mata

0
828

No cotidiano da minha vida dou valor ao ditado: “Prefiro ser um covarde vivo que um herói morto”.

Em diversas situações já tivemos conhecimento e já presenciamos fatos que, por “machismo de alguns”, muitos já se foram dessa vida.

Depois do mês de outubro ser marcado pela campanha de mobilização para prevenção do câncer de mama, conhecida como Outubro Rosa, agora é a vez dos homens.

O mês de novembro é internacionalmente dedicado às ações relacionadas ao câncer de próstata e à saúde do homem.

O mês foi escolhido, pois, o próximo sábado dia 17, é o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata.

O câncer de próstata é o sexto tipo mais comum no mundo e o de maior incidência nos homens.

As taxas da manifestação da doença são cerca de seis vezes maiores nos países desenvolvidos.

Cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem em homens com mais de 65 anos.

Quando diagnosticado e tratado no início, tem os riscos de mortalidade reduzidos.

No Brasil, é a quarta causa de morte por câncer e corresponde a 6% do total de óbitos por este grupo.

A Conversa Afiada dá um conselho para alguns que se achando “machista” evita o exame.

Muitos apontaram o preconceito como o maior impedimento para a realização do toque, seguido do medo.

Atualmente o preconceito é muito menor do que era anos atrás.

Hoje se divulga mais pela imprensa a importância dos exames, e muitos homens perderam o medo. Agora, existem aqueles que se recusam a fazer o exame de toque.

Por mais desconfortável que possa ser, é um exame simples, rápido e indolor.

A matéria dessa semana não é exclusivamente para os homens, porque sabemos que um grande número de mulheres é responsável e fieis ao exame que pode evitar a morte do seu parceiro e estão sempre alertando e até acompanhado os esposos até o consultório médico.

Vamos encerrar nosso bate papo da forma como começamos:

“Prefiro ser um covarde vivo que um herói morto”.

O machismo te mata.

Colaborador Academia

Até a semana que em se Deus quiser, e Ele há de querer.

Por Arnaldo Martins

Cebolinha

Deixe uma resposta