Salvem nossas crianças

0
1241

Se você me perguntar se estamos na semana das crianças eu afirmo que elas são merecedoras de nossa atenção todos os dias, portanto todo dia é o dia das crianças. Vivemos duas situações que abalaram corações das pessoas, uma delas ocorrido em Sete Lagoas quando uma Creche sofreu interdição para averiguação de maus tratos na Instituição, e o desastre do incêndio na Creche em Janaúba.

Repasse a história abaixo para que ela sirva de motivação e o ser humano tenha capacidade de escolha de pessoas certas e capazes de cuidar das nossas crianças, estejam elas onde estiver e sob a guarda temporária ou não.

Atente para história:

– Um professor pediu aos alunos que levassem uma sacola com batatas para a sala de aula.

Disse-lhes que separassem uma batata para cada pessoa que os magoara ou de alguma forma os fizera sofrer.

Depois disso que escrevessem o nome de cada pessoa em cada batata e as colocassem dentro da sacola.

Eles começaram a pensar, e foram lembrando e escrevendo uma a uma as pessoas que os tinham magoado.

Algumas sacolas ficaram muito pesadas.

A tarefa seguinte consistia em, durante uma semana, carregar consigo a sacola com as batatas para onde quer que fossem.

Com o tempo as batatas foram se estragando e era um incômodo carregar a sacola o tempo todo e ainda sentir seu mau cheiro.

Além disso, a preocupação em não esquecê-la em algum lugar fazia com que deixassem de prestar atenção em outras coisas que eram importantes para eles.

E foi assim que os alunos entenderam a lição de que carregar mágoas é tão ruim quanto carregar batatas podres.

Quando damos importância aos problemas não resolvidos ou às promessas não cumpridas, nossos pensamentos enchem-se de mágoa, aumentando o stress e roubando nossa alegria.

Perdoar e deixar estes sentimentos irem embora é a única forma de trazer de volta a paz e a calma.

Jogue fora suas “batatas”.

Parabéns a todas as crianças e que Deus lhes proteja!

Publicidade UP 360.cdr

                   Até a semana que vem se Deus quiser, e Ele há de querer.

Arnaldo Martins

Cebolinha

Deixe uma resposta