Prisão Domiciliar

0
2131
Reprodução da internet

O título de nossa Conversa Afiada dessa semana define-se sendo a detenção de alguém na residência, no caso de problemas de saúde, quando o presídio não dispõe do sistema médico.

A prisão domiciliar pode ser aplicada como medida de prevenção, sob benefício do presidiário, no ambiente judicial quando o réu fica proibido de sair da sua residência até ser julgado, ou após seu julgamento, ou como medida de pena, em casos já julgados, após ter cumprido parcialmente essa pena em cadeia. Chama-se prisão domiciliar a permanência total do preso em sua residência.

Ufa! Você leitor (a) entendeu a definição?

Você deve estar se perguntando: Onde é que o Cebolinha quer chegar com esse papo de prisão domiciliar?

Calma meu leitor (a) vou explicar, ou justificar o título.

Fato é que essa definição do título pode ser um benefício para aqueles que cometeram algum delito e são punidos pela justiça. Correto?

Repito, os beneficiários da prisão domiciliar serão os detentos que ganharam na justiça esse direito.

Mas se você leitor (a) analisar bem os fatos verá que estamos vivendo em um país tão violento que os cidadãos de bem e trabalhadores dignos, só estão saindo de casa para o serviço.

As residências têm grades, cerca elétrica, concertina, câmeras internas e externas, cães adestrados, vigias, enfim, somos presidiários dentro de nossa casa evitando a violência da rua.

Uma solução urgente tem que ser tomada e não será necessário existir um gênio para nos socorrer.

Se a decisão virá dos “homens lá em Brasília”, basta lembrarmos que todos eles foram eleitos pelo “povo”, e a inteligência está na cabeça de cada um de nós (o povo) ao elegermos novamente.

Acompanhe a história abaixo:

Certo dia, Thomas Edison chegou à sua casa com um bilhete para sua mãe.

Ele disse: – Meu professor me deu este papel para entregar apenas à senhora.

Os olhos da mãe lacrimejavam ao ler a carta e resolveu ler em voz alta para seu filho: – Seu filho é um gênio.

Esta escola é muito pequena para ele e não tem professores ao seu nível para treiná-lo.

Por favor, ensine – você mesmo.

Depois de muitos anos, Edison veio a se tornar um dos maiores inventores do século.

Após o falecimento de sua mãe, resolveu arrumar a casa quando viu um papel dobrado no canto de uma gaveta.

Ele pegou e abriu, e para sua surpresa era a antiga carta que seu professor havia mandado a sua mãe, porém o conteúdo era outro bem diferente do que sua mãe leu anos atrás.

“Seu filho é confuso e tem problemas mentais, não vamos deixá-lo vir mais à escola.”

Edison chorou durante horas e então escreveu em seu diário: – “Thomas Edison era uma criança confusa, mas graças a uma mãe heroína e dedicada, tornou-se o gênio do século.”

Moral da história:

Existem certos momentos da vida onde é necessário mudar o “conteúdo da carta” para que o objetivo seja alcançado.

Nós brasileiros podemos mudar o conteúdo da nossa história.

A solução está dentro de nossa casa com o direito do voto que mudará o rumo das coisas.

Até quando ficaremos em “prisão domiciliar” sem nunca termos cometido nenhum crime?

Não será necessário um gênio que estava no anonimato como Thomas Edison, para nos conceder a liberdade de viver em um país digno e de cidadãos honestos.

Vamos gritar pela nossa liberdade! Chega de prisão domiciliar para cidadãos de bem.

Publicidade UP 360.cdr

Até a semana que vem se Deus quiser, e Ele há de querer.

Por Arnaldo Martins

Cebolinha

Deixe uma resposta