EM BUSCA DO G-6, GALO PRECISA SOLUCIONAR PROBLEMA DO ATAQUE, O PIOR DESDE 2007

0
209

Atlético-MG marcou apenas 19 gols na primeira metade do Brasileirão, média de um por jogo – tem o terceiro pior ataque da competição

A temporada 2017 do Atlético-MG está no estilo “resta um”, aquele jogo em que só um pino resta no final. No caso do Galo, resta só um objetivo. O time, que disputou Copa do Brasil, Libertadores e sonhava com o título do Brasileirão, agora busca algo um pouco mais humilde: uma vaga no G-6 da Série A, que dá a classificação à próxima Libertadores, o que virou obrigação. Só que, para chegar lá, precisa melhorar – e muito – um fator importantíssimo: o ataque.

No primeiro turno do Brasileirão, o Galo fez apenas 19 gols em 19 jogos, média de um por jogo. O número é superior, apenas, ao dos dois lanternas da competição. O Atlético-GO fez 16, e o Avaí apenas 10. Comparando com números do próprio Atlético-MG, o número chama ainda mais atenção. Nunca, desde que o Brasileirão tem o atual formato, com 20 times (2006), o Galo fez menos que 19 gols no turno – a comparação é feita a partir da temporada 2007, já que o Galo, em 2006, disputou a Série B.

Mas o que está acontecendo de errado? Por que o time não está balançando as redes adversárias? Muito se fala em confiança, em falta de opções ofensivas, em modelo de jogo, mas ninguém consegue explicar com clareza. Nem os próprios jogadores. Rafael Carioca, por exemplo, vê que o time está fazendo o que precisa para marcar e não consegue diagnosticar o que está dando de errado.

– O que falta é botar a bola para dentro do gol. A gente sabe que a gente cria muito, a gente vem criando alternativas dentro do próprio jogo para conseguir furar o bloqueio adversário, e a bola não está entrando. Prova disso foi no jogo da Libertadores, o tanto que conseguimos criar. A gente tentou de todas as formas, por dentro, alçando bola na área, mas a gente não conseguiu entrar. O que falta é botar a bola para dentro.

Marcos Rocha também seguiu a linha de que falta “só” a bola entrar, mas destacou que o time está automatizado em alguns padrões que precisam ser corrigidos.

– Falta a bola entrar. Infelizmente, a gente não está conseguindo fazer os gols. Temos jogadores como Fred, Robinho, Rafael Moura, Otero, Cazares, jogadores que são referências no clube e no Brasil. Esperar que esse gol aconteça, que a gente possa fazer as jogadas naturalmente. Às vezes, a gente está pressionando, mas muito no abafa, muito no automático. Está faltando as coisas acontecerem naturalmente, como estavam acontecendo no início do ano.

Gols marcados pelo Galo no primeiro turno do Brasileirão, por ano, desde 2007:
2007
– 29 gols
2008 – 25 gols
2009 – 32 gols
2010 – 23 gols
2011 – 24 gols
2012 – 34 gols
2013 – 22 gols
2014 – 24 gols
2015 – 33 gols
2016 – 33 gols

Fonte: globoesporte.com

Deixe uma resposta